Minimalismo: viver com menos pode ser mais legal

Você já deve ter ouvido alguém dizer por aí a máxima “menos é mais”. Pois então, para muitas pessoas isso significa um estilo de vida, o minimalismo. Muito além de reduzir o consumo (muitas vezes excessivo), o minimalismo propõe o desapego de tudo que temos em excesso, coisas, convicções, relacionamentos e ocupações que não trazem valor ou significado para sua vida. Vem com o papelada para entender um pouco mais sobre esse movimento e saiba como você pode incorporar alguns hábitos no seu dia a dia.

Menos coisas. Mais sensações

Quando começamos a fazer as pesquisas para esse artigo sobre minimalismo, nos deparamos com conceitos muito interessantes e até mesmo abstratos. Por trás dessa mudança de hábito, além da redução do consumo está também a busca por uma vida com mais significado, ligada a experiências de “ser” e não apenas de “ter”.

Levar uma vida minimalista não significa não comprar nada nunca ou viver com menos do que precisamos. Significa ter o suficiente, viver com mais liberdade e menos preocupação, passar menos tempo organizando e limpando coisas, ter mais espaço físico e mental. O minimalismo expressa preocupação com a sociedade, com a sustentabilidade do planeta e com o bem estar pessoal.

No site The Minimalists há uma definição bem interessante que coloca o minimalismo como uma ferramenta para encontrar a real liberdade de viver sem culpa e livre das armadilhas da cultura do consumidor.

Primeiro passo é desapegar

É claro que para começar uma vida minimalista é preciso praticar o desapego. Fazer aquela “limpa” de verdade em armários, gavetas, estantes. Porém no apego a determinadas coisas há também as emoções e sentimentos que estão impregnados em cada um daqueles objetos que estão ocupando lugar no guarda-roupa, na mente e no coração.

Vamos aos exemplos? Sabe aquela blusa que você comprou pensando em usar depois de perder alguns quilinhos. Será mesmo que você vai usar? Ou ainda, será mesmo que você precisa perder esses “quilinhos”? Nessa mesma parte do armário devem ter outras roupas que você ganhou da avó, que você comprou porque estava na liquidação, todas esperando para serem usadas naquela ocasião… que nunca chega. Está com medo de desapegar? Normal. Então que tal um exercício?

Exercício do desapego

Separe 5 coisas e doe. Para amigas(os), instituições de caridade. Transforme o apego em boa ação. Anote na agenda, para dentro de três meses lembrar de tudo que foi doado. Perceba qual é a sensação que ainda ficou em relação a cada coisa. Em muitos casos as pessoas até esquecem do que desapegaram. O que comprova que aquele objeto não trazia nenhum valor para a sua vida, concorda?

Hábitos para uma vida minimalista

Você pode viver o minimalismo de várias formas.

Há aqueles que vivem de uma forma mais extrema, com apenas algumas peças de roupas e pertences, sem se fixar num endereço por um tempo para poder “mochilar” pelo mundo e conhecer muito lugares.

Mas não é preciso radicalismos. A verdade é que por trás de qualquer hábito de uma vida minimalista está o consumo consciente. Portanto você pode começar assim:

1# Troque mais

Está precisando se desfazer ou comprar algo? Então experimente trocar, alugar ou comprar de segunda mão. Existem vários sites e marketplaces que trabalham dentro da proposta da economia colaborativa. Se você tem filhos, dá uma olhada nesse artigo.

Se precisa de um vestido para aquela festa então clica aqui.

2# Não alimente o sentimento de culpa

Como falamos, ter uma vida minimalista não exige radicalismos, mas sim consciência sobre os hábitos de consumo. Portanto, não tenha culpa se você comprou algo ou se precisa se desfazer de alguma coisa que custou caro. O dinheiro que você gastou não vai voltar e você vai ficar “azedando” essa culpa para quê?

3# Tenha prioridades e organize seu tempo

Amplie o conceito do minimalismo para a forma como lida com seu tempo e suas tarefas. Faça listas com prioridades e metas factíveis para o seu dia ou semana, tendo em vista aquilo que é essencial e traz algum valor ou significado para sua vida. Consuma o tempo necessário para cada atividade!

4# Quando comprar, priorize a durabilidade

Quem nunca comprou aquela peça que após duas lavadas já estava com aspecto puído? Não desperdice os recursos financeiros e da natureza com esse tipo de compra. Priorize os bens com mais durabilidade.

5# Aproveite o momento

Esse tópico é auto explicativo. Esteja presente em cada momento sem preencher seu pensamento com o que precisa fazer/ter. Isso também faz parte do minimalismo.

Gostou do que leu? Se sim, a gente tem uma dica adicional. Zapeando na Netflix, encontramos esse documentário aqui: Minimalism: A Documentary About the Important Things (em tradução livre, Minimalismo: um documentários sobre as coisas importantes), com dois grandes expoentes do estilo de vida minimalista, Joshua Fields Millburn e Ryan Nicodemus. Menos é mais! 😉