4 BRINCADEIRAS PARA ENSINAR FINANÇAS PARA CRIANÇAS

Quando chega a hora de falar de finanças para crianças cada família tem o seu jeito. Oferecer mesada, cofrinho, demonstrar o valor das coisas no mercado são alguns dos caminhos já conhecidos pelos pais. Mas algumas brincadeiras  também podem ajudar a iniciar os jovens no mundo das finanças.

O papelada conversou com Patrícia Camargo, jornalista e sócia da xará Patrícia Marinho no Tempojunto, projeto que urgiu da necessidade de melhorar a qualidade de tempo que os pais passam com os filhos.

A conversa rendeu boas dicas de brincadeiras que podem ser facilmente reproduzidas em casa pelas famílias. Além de ensinar finanças para crianças, pais e filhos terão momentos de interação e diversão.

Antes dos sete anos as crianças ainda não desenvolveram a noção de valor, apenas de quantidade, explica Patrícia. Pra entender melhor, se você der uma moeda de R$ 1,00 para uma criança e quatro de R$ 0,25 para outra, a que recebeu a de R$ 1,00 pode ficar desapontada ou ainda achar que as quatro moedas de R$ 0,25 valem mais.

Sendo assim, a indicação de Patrícia é apostar em brincadeiras com números, ajudando assim a deixar o conceito da matemática mais concreto na cabecinha deles.

A 1ª dica é um brinquedo caseiro feito com sacos plásticos tipo ziploc e gel.

Para fazê-lo é preciso saquinho tipo zip loc, gel (pode ser gel de cabelo ou álcool gel que depois pode ser aproveitado na limpeza da casa), fita adesiva para ajudar a vedar o saco e moedas.

Basta encher o saquinho com gel na quantidade suficiente para que as moedas deslizem no saco.

Para crianças menores que ainda não sabem somar, os pais podem pedir que agrupem as moedas iguais. Esse momento pode ajudar a explicar o dilema descrito acima, demonstrando que uma moeda de R$ 1,00 é mais importante que a de R$ 0,25.

Fica mais fácil introduzir finanças para crianças quando elas já estão aprendendo a somar. Nessa fase, esse mesmo saquinho pode ser usado para formar valores a partir das moedas de centavos. O fato de visualizar os elementos da soma ajuda os pequenos a matemática do dinheiro. “Eu poderia ter feito a mesma coisa com uma folha de papel. Mas brincar com o gel no saquinho é mais divertido e as possibilidades são muito variadas”, comenta Patrícia.

Brincar de fazer compras é a 2ª dica que Patrícia recomenda. Os pais podem aproveitar a brincadeira para espalhar brinquedos e montar uma “lojinha”. Pode ser um mercado, quitanda, ou até mesmo uma loja de brinquedos. Além de moedas, dinheiro de mentira também podem completar a brincadeira. Como na dica anterior, fazer compras reforça o contato com números e treina a adição. Para crianças acima de sete anos, é uma oportunidade de ensinar como calcular o troco e ainda ensinar como lidar com a vontade de sair comprando tudo por impulso e acabar sem dinheiro.

A 3ª dica pode parecer óbvia num primeiro momento. O cofrinho. Se os pais já dão mesada ou semanada para seus filhos, é importante que incentivem que parte desse dinheiro seja poupado com um objetivo futuro, como um brinquedo ou um passeio. Definir uma data para a abertura pode tornar a brincadeira ainda mais interessante. Patrícia comenta que tem o hábito de abrir os cofres de seus filhos sempre no Dia de Reis. Seu filho mais velho, Henrique, conseguiu uma boa quantia em seu cofrinho e pôde comprar um brinquedo que hoje é um de deus preferidos. Prova que o esforço de poupar fez com que ele reconhecesse naquele brinquedo seu empenho pessoal em poupar com um objetivo.

A medida que vão crescendo, lá pelos oito anos, eles  já têm capacidade de lidar com escolhas mais complexas. E a 4ª e última dica dica para falar de finanças para crianças nessa faixa etária é o jogo Banco Imobiliário. Sim, aquele que muitos pais que estão lendo esse artigo jogaram na infância. O Banco Imobiliário é um dos poucos que sobreviveu por décadas e ganhou versões Kids, Júnior e o Super que vem com máquina de cartão de crédito.

O jogo é excelente para estimular a tomada de decisão e mostra que um ato impulsivo que gera ganho imediato pode fazer o jogador ficar completamente sem dinheiro no fim do jogo.

Essas são algumas brincadeiras para falar de finanças para crianças de forma lúdica, envolvendo toda a família. Lembrando que o que os pais têm de mais valioso para oferecer aos filhos não é o dinheiro, mas sim o tempo juntos.