EDUCAÇÃO FINANCEIRA PARA CRIANÇAS

Sempre que mencionamos o termo educação financeira, imaginamos que se aplique ao mundo dos adultos, onde despesas assumidas, receitas projetadas e planejamento dos gastos fazem parte do dia-a-dia. É um engano. A educação financeira começa com os nossos filhos, quando crianças, sob a nossa tutela em casa, para que reconheçam o valor do dinheiro, seu poder de compra e como utilizá-lo com consciência, evitando excessos.   

Hoje, os limites são cada vez mais tênues – para adultos e crianças – entre desejar e precisar de um bem. Quando essas fronteiras se fundem, dão margem a comportamentos consumistas que, muitas vezes, ignoram a realidade financeira imediata e acabam resultando em prejuízos, dívidas e muita dor de cabeça. Por isso, quanto mais cedo ensinarmos aos nossos filhos o valor do dinheiro – o que posso comprar com ele?, o que devo comprar?, por que não consigo comprar este brinquedo?, por que o dinheiro já acabou? –, mais conscientes eles serão sobre a realidade financeira que nos cerca e suas implicações em nossas vidas. 

Claro, a tarefa é árdua. A educação financeira das crianças depende do compromisso, disciplina e rigor do pais, que devem, ainda, ser um exemplo para elas sobre como usar o dinheiro. Para entendermos como isso acontece na prática, vamos acompanhar o que os pais Marcelo e Ana estão fazendo para educar o filho, Lucas, de 9 anos, sob a ótica financeira. É um exemplo hipotético, que vai nos ajudar a refletir sobre como estamos ensinando nossos filhos a lidar com o dinheiro.

Para facilitar a comunicação entre o casal, eles criaram uma lista de ações que contribuem para a educação financeira do Lucas. Cada ação tem responsável, data de execução, comportamento desejado para os pais, status da ação e próximos passos. Marcelo e Ana atualizam a lista a cada fim de quinzena, quando planejam os próximos quinze dias.

TÓPICO 1: QUINZENADA

Quantia em dinheiro que vamos dar ao Lucas a cada quinze dias, para que possamos orientá-lo sobre como deve utilizar o dinheiro e para que ele tenha suas primeiras experiências financeiras.

Responsável: ANA

Data: Início do mês e todo dia 15

Comportamento dos pais: Não podemos vincular a quinzenada às obrigações do Lucas. Ele deve entender que tirar notas boas, arrumar o quarto, guardar os brinquedos e fazer o dever de casa são seus deveres. Se o recompensarmos por isso com a quinzenada, vamos alimentar um comportamento mercenário – “só faço porque ganho com isso”. Como combinamos com o Lucas, o dinheiro é para que compre suas coisas, sem que precise recorrer a nós. Estão incluídos na quinzenada: gastos com sorvetes, doces, figurinhas, brinquedos, games e bens um pouco mais caros que ele deseje no médio prazo.

Status e observações: Nesta quinzena, ele chorou porque estava sem dinheiro para comprar figurinhas. Orientamos a guardar uma parte da quinzenada para a compra delas.

Próximos passos: Comprar um porquinho ou caixa para que ele guarde o dinheiro das figurinhas a cada mês.

TÓPICO 2: REAJUSTE DE QUINZENADA 

Conversa anual com o Lucas para explicarmos porque estamos dando, ou não, o reajuste na sua quinzenada.

Responsável: MARCELO

Data: Início do ano

Comportamento dos pais: Devemos calibrar os reajustes para que o valor da quinzenada esteja na média do que recebem os colegas de classe do Lucas. Hoje, este valor está na média. É preciso que ele entenda que o dinheiro que ele recebe é o que hoje podemos dar a ele, por meio do nosso trabalho. Ele recebe uma quantia suficiente para comprar as suas coisas, desde que economize e se planeje para isso, como todos fazem.  Sempre vamos deixar claro que ele recebe, em média, o mesmo que seus coleguinhas. Uns podem ganhar um pouco mais, outros menos, mas o importante é que a maioria está no mesmo patamar.

Status e observações: Reajuste não concedido neste ano. Lucas citou um coleguinha, o Miguel, que recebe o dobro. Explicamos que cada família dá o que pode para o filho, dentro das suas possibilidades. Dissemos que dinheiro não é tudo na vida: os pais também dão carinho, tempo, atenção e amor aos filhos.

TÓPICO 3: SUPERMERCADO EM FAMÍLIA

Ida da família ao supermercado, colocando Lucas para tomar decisões simples sobre a compra de produtos, com o nosso amparo e orientação.

Responsáveis: MARCELO E ANA

Data: Semanal

Comportamento dos pais: Deixá-lo ciente de que temos uma lista de compras, com todos os produtos necessários para nossa alimentação e cuidados ao longo da semana. Assim, não compramos produtos desnecessários e evitamos o desperdício.  Lucas pode contribuir com as compras, fazendo uma pesquisa na internet sobre os alimentos da época, geralmente mais em conta. Para itens com mais oferta de produtos, motivá-lo a procurar o melhor preço, assim como promoções, calculando quanto conseguimos economizar nas compras.

Status e observações:  Na última semana, ele pediu para comprar um chocolate. Conforme havíamos combinado antes com ele, esse tipo de gasto deve sair da quinzenada. Ele chorou, mas seguramos a onda e não saímos da lista!

Próximos passos: Passar a incluir o Lucas na elaboração da lista do supermercado, para que identifique o que precisa ser comprado para atender às nossas necessidades e as da casa.

TÓPICO 4: CAIXINHA DO FUTURO

Caixinha de alumínio, com senha para abertura. Nela, o Lucas guarda seu dinheiro para realizar um objetivo futuro.

Responsável: ANA

Data: Início do ano   

Comportamento dos pais: A cada início de ano, vamos conversar com o Lucas e o estimular para que pense no que deseja realizar – um passeio, a compra de um brinquedo, eletrônico etc. Vamos incentivá-lo a se planejar e economizar para a conquista do seu objetivo, calculando, junto com ele, quanto precisa guardar a cada mês. 

Mensagem para ele: “Para conseguirmos o que queremos, temos de planejar e saber o que precisamos fazer a cada dia para chegarmos lá, no nosso objetivo. É assim que as pessoas fazem. Você já está aprendendo!”

Status e observações:  Lucas quer comprar um par de chuteiras e a camisa do Barcelona, do Neymar. Calculamos, junto com ele, que vai precisar guardar 20% da quinzenada, nos próximos oito meses, para comprar os itens.

Próximos passos: Haverá um jogo da seleção brasileira de futebol no fim do ano. Então, vamos dar o exemplo: economizaremos para comprarmos os ingressos para o jogo e, assim, todos poderão ver o Neymar em campo. Vamos comprar uma caixinha também!

TÓPICO 4: PORQUINHO SOLIDÁRIO

Poupança para que o Lucas guarde dinheiro para participar de campanhas solidárias, e também separe bens para doação

Responsável: MARCELO

Data: a cada semestre

Comportamento dos pais:  Precisamos ensinar ao Lucas que vivemos em sociedade e que precisamos estar atentos às necessidades dos outros, especialmente os que não têm recursos financeiros para comprar o que precisam.

. Campanha do Agasalho: conscientizá-lo de que temos de ajudar a quem está passando frio nas ruas. Para isso, doamos um pouco de nossas economias e agasalhos e cobertores, novos ou usados.

. Campanha Natal Solidário: incentivá-lo a comprar e doar brinquedos para as crianças que passam por dificuldades, de modo que elas tenham um Natal mais feliz.

. Passar a mensagem de que o uso do dinheiro também deve ser motivado pela solidariedade e generosidade. E de que é preciso, da mesma forma, economizar um pouco a cada mês para poder participar das campanhas solidárias, assim como separar roupas e brinquedos para doação.

Status e observações: . Mostramos ao Lucas algumas reportagens, disponíveis na Internet, sobre a campanha do agasalho e de Natal, e como as pessoas ficam felizes em ajudar e serem ajudadas. Ele avaliou seus gastos e decidiu guardar 10% da quinzenada no porquinho para campanhas solidárias.  Conversando com ele, decidimos que contribuirá com mais “peso” na doação de roupas, cobertores e brinquedos, separando-os ao fim de cada mês.

Próximos passos: .

Comprar um baú para o Lucas colocar os bens para doação. Dedicar um tempo no último sábado do mês para, junto com ele, destinar roupas e brinquedos para o baú.

TÓPICO 4: ESPÍRITO EMPREENDEDOR

Estimular o Lucas a sugerir e executar atividades com as quais possa ganhar um dinheiro extra, desde que não faça parte de suas obrigações e deveres.

Responsável: MARCELO

Data: Mensal

Comportamento dos pais: A cada início de mês, vamos estimulá-lo a pensar em ações que ele pode fazer para ganhar dinheiro extra. Dessa forma, ele conecta o valor do dinheiro ao do trabalho e aguça o senso para oportunidades.  Podemos também sugerir algumas atividades, caso ele não proponha: assinar os cartões de fim de ano, regar as plantas em dias alternados, lavar as bicicletas, engraxar os sapatos junto com o pai etc.   

Status e observações:  No último mês, ele sugeriu organizar os livros da biblioteca por ordem alfabética e fazer uma lista com título e autor, como tem na escola dele. Acertamos um valor adicional de 30% à quinzenada. Ele concordou e está arrumando os livros!

Próximos passos: Procurar livros infantis sobre empreendedorismo para o Lucas.