6 CARACTERÍSTICAS PESSOAIS DO EMPREENDEDOR

Os dados mais recentes nos mostram que o desemprego voltou a crescer. São, hoje, mais de 13 milhões e meio de pessoas fora do mercado formal, o número mais elevado desde 2012. Os entendidos do assunto têm falado em tendência de melhora, mas, para quem está sem renda ou viu seus ganhos despencarem, a situação é crítica e não pode esperar. A solução pode ser tronar-se um empreendedor!

Nesse cenário, buscar um empreendimento individual pode ser um bom caminho para quem quer começar o próprio negócio. Mas atenção: embora seja relativamente simples abrir uma empresa MEI, é preciso planejar e estudar as possibilidades antes de começar a empreitada. É fundamental estar maduro em relação à ideia e ciente de que o caminho nem sempre é fácil.

Mas, mesmo diante da oportunidades, você se pergunta: será que tenho perfil de um empreendedor? Vou conseguir desenvolver as características pessoais necessárias? Pensando nesses questionamentos, pesquisamos o que dizem os especialistas sobre um empreendedor  de sucesso. E mais: damos algumas sugestões de leitura para você desenvolver suas habilidades. 

Vejamos:

Iniciativa ou proatividade: Não adianta ter mil ideias e ficar vendo o mundo passar. É preciso ter iniciativa. Uma vez que você tenha amadurecido a ideia, chega a hora de colocá-la em prática. Essa proatividade tem um pouco a ver com a capacidade de lidar com mudanças e alguma instabilidade no início.

Coragem para assumir riscos: Não se trata de sair por aí se arriscando a qualquer preço, mas é preciso romper o medo – que é absolutamente natural, diga-se de passagem. É preciso fazer os cálculos e se preparar emocionalmente. Nesse caso o apoio do cônjuge e da família é um diferencial. Ter um plano B e saber os seu limites também pode ser confortante em uma fase de maior risco.

Assumir uma atitude positiva: Não faltarão pessoas do seu círculo familiar ou amigos para te colocar pra baixo, dizendo que ser empreendedor no Brasil é maluquice e que sua ideia não vai dar certo. O fato é que ninguém está na nossa pele. E, como diz Caetano Veloso, “cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é”. Então, se cerque das pessoas certas e que estão verdadeiramente dispostas a ajudar.

Não tenha medo ou vergonha de errar: Fomos criados para achar que errar é ruim e que os erros são sinal de fracasso ou incapacidade. Mas não é bem assim, certo? Em alguns tipos de negócios, aqueles que se propõem a criar uma solução realmente nova, errar é uma condição para empreender. Mas, como dizem os gurus das startups: “vamos errar rápido, para consertar rápido”. E nunca é demais aquela velha máxima: é errando que se aprende!

Ter uma boa rede de contatos e saber alimentá-la: Uma boa rede de influência se constrói ao longo do tempo e não de uma hora para a outra. É preciso estar disposto à troca. As pessoas almejam relações ganha-ganha, em que todos os envolvidos tenham suas demandas atendidas. Às vezes o que o outro quer é atenção, nem sempre é uma indicação de trabalho. E não adianta procurar os outros só para pedir, é preciso tentar entender o que o outro precisa naquele momento.

Seja disciplinado em relação ao planejamento financeiro: Tem uma reserva e vai empreender? A regra de ouro é a seguinte: guarde 50% para futuras despesas pessoais e da família e empreenda com os outros 50%. Ter uma retaguarda financeira vai deixá-lo mais tranquilo, o que é excelente. Se, por ventura, o empreendimento demorar a dar o retorno esperado ou, ainda, se der errado, você ainda tem fôlego para uma recolocação ou novo empreendimento.

Leituras sugeridas:

Nasce um empreendedor, Bob Wollhein e Dony De Nuccio

Risco Calculado, Ben S. Carson, Gregg Lewis

O Poder Do Networking, Tommy Spaulding

Garra: O poder da paixão e da perseverança, Angela Duckworth