Seguro residencial vale a pena! Fizemos as contas.

O seguro mais popular no Brasil é, sem sombra de dúvidas, o de automóvel. Ainda assim, somente cerca de 30% dos carros que circulam pelas ruas de municípios brasileiros possuem um seguro, além do DPVAT, que é obrigatório. Esse percentual cai bastante em relação à proporção de lares com um seguro residencial. Apenas 13% de nossas casas contam com essa proteção.

Mas, levando em consideração os benefícios e serviços que o produto oferece ao consumidor, valeria a pena contratar o seguro residencial em vez de pagar por cada serviço necessário ao longo do ano.  Vamos fazer o cálculo?

Antes de iniciar nossas contas, é preciso colocar os pingos nos is, como dizemos por aí! Como nosso parâmetro aqui no Brasil é seguro automóvel, a tendência é pensar assim: se seguro para o carro é caro, imagina para casa? Ledo engano. Enquanto a proteção veicular pode chegar a custar  5%  do valor do bem, o seguro residencial pode custar apenas 0,2% do valor do imóvel, segundo a Proteste –  Associação Brasileira de Defesa do Consumidor. 

Tendo essa informação em mente, vamos fazer uma simulação. O seguro residencial de um apartamento de 60 m2 em um bairro de classe média da zona Sul da cidade de São Paulo custa cerca de R$ 200,00 anuais, com uma cobertura padrão, contra incêndio, dano elétrico, queda de raio, de aeronave e assistência 24hs completa. Considere que esse apartamento está avaliado em R$ 420 mil. O seguro custa, portanto, 0,5% do valor total.

Agora, vamos às contas. Embora haja variação de oferta de uma seguradora para outra, o seguro residencial geralmente oferece os seguintes serviços:

  1. Chaveiro: em caso de  perda, quebra de chaves na fechadura, roubo ou furto de chaves;
  2. Eletricista: em caso de  tomadas queimadas, interruptores defeituosos, disjuntores e fusíveis danificados, troca de resistências de chuveiros ou torneiras elétricas;
  3. Encanador: vazamento em tubulações ou em dispositivos hidráulicos como: torneiras, sifões, chuveiros, válvulas de descarga, boia de caixa d’água, caixa acoplada, registro; entupimento de ramais internos em pias, vasos sanitários e tanques;
  4. Conserto para eletrodomésticos: mão de obra para linhas branca e marrom
  5. Troca de mármores, granitos, vidros e espelho

Você concorda que são serviços corriqueiros e podemos precisar de um deles a qualquer momento, certo? Vamos aos preços médios, que consultamos no site https://www.habitissimo.com.br/, que, aliás, é muito útil para contratação de serviços e comparação de preços – ele conecta quem precisa do serviço, com quem o realiza:

Visita de um chaveiro à residência 24h:  R$ 150,00

Desentupimento de vaso sanitário:  R$ 180,00

Visita de um eletricista para troca de resistência ou chuveiro elétrico: R$ 180,00

Facilmente, chegamos à conclusão que se precisarmos de pelo menos dois desses serviços durante um ano, gastaremos mais do que se tivéssemos um seguro residencial, que ainda tem a vantagem de poder ser pago em parcelas sem juros.