Dicas financeiras para quem é ou quer ser um microempreendedor individual

Desde 2009 ficou mais fácil e menos burocrático formalizar uma empresa de pequeno porte com a criação da categoria MEI – Microempreendedor Individual. O programa de formalização de empresas é um dos maiores do mundo e mais de 7 milhões de pessoas já se inscreveram.  Ao se tornar MEI, o empresário sai da informalidade com um CNPJ, pode emitir nota fiscal pagando por isso um tributo reduzido.

Como esse movimento, cresceu também a oferta de serviços, produtos e conteúdos voltados para as necessidades desse tipo de empreendedor. Sobretudo em cidades mais distantes das capitais. Se você é ou pretende se tornar um microempreendedor individual vai encontrar nesse artigo uma lista de serviços, sites e instituições que vão te ajudar a gerenciar seu negócio com sucesso.

 

CNPJ: o primeiro passo para sair da informalidade

Negócios com faturamento de até R$ 60 mil por ano se encaixam na categoria MEI. O processo para formalizar é gratuito e online (o que hoje em dia não pode ser resolvido pela santa internet?). No Portal do Empreendedor, basta clicar em Formalize-se, para obter de forma rápida e gratuita o CNPJ e o número de inscrição na Junta Comercial. Ah! Você tem que escolher a atividade do seu negócio. Não se preocupe pois é tudo muito simples e direto, tem até atividades menos comuns, como astrólogo e tricoteira.

Os benefícios para o microempreendedor individual vão além do CNPJ para emissão de nota fiscal. Com esse cadastro é possível participar de licitações públicas, ter acesso a melhores condições de empréstimos e financiamentos, além de poder aceitar pagamento por máquinas de cartão, o que aumenta o alcance dos negócios.

 

A formalização abre as portas para os serviços financeiros

A Conta.Mobi, por exemplo, é feita para MEIs. Você conhece? Através da abertura de uma conta, o empreendedor tem acesso a todos os demais serviços em um só lugar – emissão de boletos, máquina de cartão sem mensalidade, recebimentos online. Tudo isso digital com taxas inferiores às praticadas pelos grandes bancos. Mas o maior benefício da Conta.Mobi é a parceria com os Correios, estabelecida no início deste mês. O usuário consegue realizar depósitos e saques em qualquer agência dos Correios. A proposta é clara: beneficiar os empreendedores que estão em regiões mais afastadas dos grandes centros financeiros, dando a eles a oportunidade de acessar o sistema financeiro.

Outra iniciativa bacana é a oferta de uma assessoria contábil por meio de uma parceria com a Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas (Fenacom).

 

Financiamento facilitado

O microempreendedor individual que atua em São Paulo e concluiu o programa Super Mei do Sebrae São Paulo pode inscrever seu plano de negócios no Programa Juro Zero que como o nome já adianta, oferece crédito com taxa de juros zerada. O programa é uma parceria entre o Governo do Estado de São Paulo e o Sebrae-SP e oferece empréstimos que vão de R$ 1 mil até R$ 20 mil.

Mas, se você é um microempreendedor individual em outra região, pode contar com um empréstimo online que oferece taxas mais competitivas que o bancos tradicionais. Neste artigo do Blog do papelada, nós pesquisamos o que o mercado tem a oferecer. Aproveite!

 

Organização Financeira

Formalizar-se, ter maior acesso a serviços financeiros e ampliar os negócios traz novas responsabilidades. Uma delas é a gestão financeira. É preciso levar à risca o planejamento de custos e despesas.

A primeira medida para ter uma gestão financeira profissional é separar a conta pessoal da conta da empresa. Mantendo as contas misturadas fica difícil controlar o que entra e o que sai, gerando um enorme ponto cego sob a saúde financeira do negócio.

Se a empresa tem apenas um titular, é importante também é definir um pró-labore. Isso vai evitar retiradas fora de hora do caixa da empresa. A quantia que resta deve ser mantida no caixa e, ao final de um período, pode ser retirada como seu lucro ou reinvestida no negócio. Depois desses passos, abuse das planilhas para controlar o fluxo de caixa e o estoque se for o seu caso. Faça desse controle um hábito e no médio prazo vai ficar mais fácil saber se a empresa está conseguindo manter um fluxo saudável e o lucro esperado.

PS: O papelada atendeu os pedidos de alguns usuários e criou a categoria “Meus Negócios”. Então você pode contar também com a gente pra organizar as contas da sua empresa 😉

Crie sua conta hoje mesmo em www.papelada.com.br