Não compare apenas o salário

Salário é apenas um dos fatores que devemos analisar na hora de mudar de emprego

O salário, quem diria, é o motivo n° 1 para os Millennials ficarem em um emprego.

Foi isso que revelou o último estudo do Fórum Econômico Mundial, o Global Shapers Annual Survey 2017, realizado com 25 mil pessoas de 18 a 35 anos em 186 países.

E não somente os Millennials valorizam o salário, afinal se muitos ficam no emprego por conta dele, muitos resolvem mudar para ter um salário maior.

Em tempos de crise, ganhar mais realmente é tentador, mas na hora de “pular de galho” devemos ter em mente tudo que essa mudança traz para saber se realmente vale a pena.

Então se você começou 2018 com aquela vontade de mudar de emprego, se liga nas nossas dicas para tomar a decisão certeira!

1) Benefícios = $$$

Este é o óbvio ululante, mas que muitas pessoas não sabem exatamente como avaliar.

Toda empresa bacana oferece plano de saúde, por exemplo, mas em vez de avaliar apenas a “marca” do plano, devemos analisar se e quanto será descontado em folha, se há coparticipação em consultas e/ou exames e a cobertura para o seu cargo específico.

Consulte também a existência de outros benefícios além dos obrigatórios vale transporte e refeição.

Empresas que oferecem planos de aposentadoria, seguro de vida, treinamentos, bolsas de estudos, dias de folga e até estacionamento – dependendo da região da empresa, agrega muito valor – devem ter um peso maior.

Isso quer dizer que todo benefício tem um valor – monetário mesmo – e ele deve ser somado ao salário para se tomar a decisão certa.

2) Tempo também é dinheiro

O local de trabalho é algo primordial na hora de aceitar uma nova proposta.

Será que realmente vale a pena ter um salário maior e ótimos benefícios se você irá gastar 2 horas (ou mais) para conseguir ir e vir do trabalho? Qual será o impacto disso na sua vida?

Sair muito cedo e chegar muito tarde em casa pode afetar seu tempo com a família e amigos, sua rotina de atividades físicas, seu hobby, etc.

Lembre-se: tempo é dinheiro e, mais importante, qualidade de vida!

3) Home office

Para aqueles com atividades que podem ser realizadas remotamente, ter a opção do home office é crucial.

Com a nova lei trabalhista, o trabalho remoto foi regulamentado e ter a possibilidade de trabalhar do conforto do seu lar tem um valor quase imensurável.

Apenas não se esqueça que trabalhar em casa requer muita disciplina.

4) Valores da empresa

Agora saindo um pouco do financeiro, mas falando de algo tão importante quanto o salário: a cultura da empresa.

Estar conectado com os valores nos quais a empresa acredita é uma questão de sobrevivência.

Ao se sentir confortável no ambiente de trabalho, você será mais realizado e conseguirá render mais, o que certamente contribuirá para o resultado da empresa.

Ou seja, é o famoso win-win em sua melhor forma!

5) Dizem por aí

Antes de bater o martelo na mudança, vale a pena conversar com pessoas que trabalham ou já trabalharam na empresa para saber de sua reputação no mercado.

Será que houve demissões recentes? Os funcionários atuais fazem muita hora extra? A rotatividade de funcionários é alta?

Saber um pouco sobre os bastidores da companhia pode te dar uma visão melhor do que está por vir e até tornar sua adaptação mais tranquila.

O fato é que mudar de emprego é uma decisão complexa e não afeta apenas o seu bolso, mas sua vida como um todo.

Por isso, ao pensar em uma mudança, não olhe apenas para o salário, mas tenha em mente como isso vai afetar sua vida e faça uma lista de prós e contras.

Só assim você conseguirá tomar uma decisão consciente e realmente ser feliz com um novo emprego em 2018.