Amazon Go: 3 tendências além da loja sem caixas

Amazon Go e sua loja sem caixa é apenas o começo da modernização do varejo

Amazon Go, loja de conveniência lançada pela gigante do e-commerce este ano em Seattle (EUA), foi o apenas a porta de entrada para a nova grande tendência do varejo: a ausência de atendentes ou caixas.

Na verdade, já existe uma startup chamada AiFi trabalhando na tecnologia – que envolve inteligência artificial, câmeras e sensores – que permitirá que qualquer varejista converta suas lojas em operações “pegue e leve”, nas quais os consumidores simplesmente vão pegar itens nas prateleiras e sair.

Mas lojas sem caixas são apenas uma parte da modernização do varejo. E essa tendência não será a primeira a ser massificada.

Mesmo a Amazon, como pioneira, planeja apenas 6 lojas como a Amazon Go para este ano. Os motivos são o alto custo da tecnologia e o fato de nem todos os consumidores usarem pagamento via mobile ainda.

Porém, há muitas outras mudanças acontecendo no varejo e hoje trazemos 3 dessas tendências que prometem revolucionar o mercado:

Lojas que observam você

De smartphones a programas de fidelidade, as lojas já rastreiam muitos dos nossos passos como consumidores.

A nova tendência, porém, usará câmeras e sensores instalados nas lojas para rastrear coisas que você pega na prateleira, mas não necessariamente compra.

Sensores de movimento é uma maneira mais sútil de coletar informações sobre hábitos de consumo – e é isso que os varejistas estão esperando conseguir.

Já existe uma startup trabalhando nesta tecnologia que permitirá rastrear os movimentos das pessoas dentro da loja.

Os dados coletados ajudarão os lojistas a entenderem melhor o fluxo de consumidores e ajustar onde colocar os produtos nas lojas, por exemplo.

Mini-centros de distribuição

Segundo dados de 2016, 8 em cada 10 americanos fazem compras online, enquanto no Brasil o número de brasileiros que fazem compra via internet mensalmente já superou dos que compram em lojas físicas.

Tudo isso explica porque as lojas de departamento estão em declínio, mas também indica a necessidade das lojas online se movimentarem para prover um serviço cada vez melhor e mais eficiente.

Neste sentido, uma das tendências é o mini-centro de distribuição – depósitos localizados em áreas urbanas e gerenciados por robôs.

A ideia aqui é diminuir os custos imobiliários com grandes armazéns em bairros e/ou cidades periféricas, ao mesmo tempo que a maior proximidade dos grandes centros permitirá serviços de entrega muito mais rápidos.

Integração com Smart Home

A recente aquisição de uma startup que faz campainhas com câmeras smart pela Amazon mostra uma tendência do varejo de integrar-se cada vez mais com a tecnologia smart home.

O Walmart também entrou na jogada, em parceria com a companhia de fechaduras inteligentes August Homes, que permitirá que o entregador entre na casa do consumidor para deixar as compras.

O fato é que integrar compras online com retiradas e entregas de encomendas off-line se tornará cada vez mais comum.

Tudo em nome da praticidade para o consumidor e diminuição de custos para os varejistas.

Conclusão

Apesar da Amazon Go ter chamado a atenção do mundo com sua loja sem caixas, essa tendência ainda vai demorar para virar mainstream.

Muito mais do que acabar com as filas na hora de pagar, o foco do varejo está mais na coleta de informações de consumo – seja em lojas físicas ou online – para melhorar suas estratégias de vendas.

Além disso, há uma preocupação constante na utilização da tecnologia para diminuir custos e também como integrar outros avanços – como a smart home – em seus negócios.

O fato é que o mundo está cada vez mais digital e o varejo aperta o passo para acompanhar esta revolução.